segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Poema - Pedro Du Bois

HÓSPEDES

Hóspede na inutilidade perco
a paciência em obviedades:
ao responder anseios interiores
rasgo paredes com palavras
alarmadas ao milagre e refaço
a noite divulgada ao acaso: junto
o teor do expediente e o declino
em versos: no inverso da jornada
esqueço a escala crescente
das necessidades:

hospedo a maldade
ultrapassada.

Sobram cicatrizes em calosidades:
esquecer ainda é o maior mistério.

(Pedro Du Bois, inédito)
http://pedrodubois.blogspot.com

Um comentário:

  1. Caro Luiz, mesmo com todo o atraso, agradeço pela divulgação. Abraços, Pedro.

    ResponderExcluir