quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Soneto - Darly O. Barros

CANTARES

Meu estro, qual estertorante fio
Lodoso, a rastejar por um deserto,
Vacila, em aceitar o desafio
Das folhas brancas de um caderno aberto...

- Hesitação não é do teu feitio,
Faze sonora a pena que te oferto,
Quero-a vibrante, como a voz de um rio,
Que tem, no mar, o seu destino certo;

Mas, te lembrando , sempre, que és poeta,
Que dês à voz a entonação correta
Quando de paz falares, vai, avança,

Leva o teu canto a todos os lugares
E, que ao dulçor do som dos teus cantares,
O mundo colha um sopro de esperança!


DARLY O. BARROS

Coordenadora do Núcleo São Paulo-SP-Brasil
do Movimento UNIÃO CULTURAL

Um comentário:

  1. Parabéns, Darly! Como sempre, as suas palavras fluem e acomodam-se precisamente em seus devidos lugares. A pena encontra seu lugar na folha branca (hoje, na tela branca) e sopra ao mundo esse seu vento de esperança! Você é uma verdadeira ourives dos versos! A H Stern que se cuide! rsrsrsrs Abraços.

    Sérgio Ferreira

    ResponderExcluir