quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Soneto - João Justiniano da Fonseca

SONETO SEM SAL E SEM PIMENTA

Eu te responderei. Tenho presentes
os teus olhos, nas praias do infinito,
aonde o azul do céu é mais bonito,
em manhãs de maré, sonhos ardentes!

Nos teus porões de sonhos descontentes,
de bruxas e duendes, de maldito,
há sofrimento? Então, dá por proscrito,
o mal. Põe riso nos teus alvos dentes.

Busca-me sempre e mais, estás bem viva,
na lembrança do amado. És a Diva
do sonho, do ideal - o que desejo.

Toca a orquestra do amor no coração,
e mais te quero e com maior paixão,
onde me encontre, junto a ti me vejo.

João Justiniano da Fonseca
Salvador-BA

Nenhum comentário:

Postar um comentário